Na noite da última sexta-feira (17) foi encerrada a I Semana da Enfermagem na Faculdade UNEOURO, tendo sido realizado nesta noite a tradicional Cerimônia de Passagem da Lâmpada para oito turmas de Enfermagem, sendo quatro do Curso Técnico e quatro da Graduação,

A cerimônia é o símbolo máximo da Enfermagem, onde o acadêmico segura em suas mãos uma lâmpada flamejante, assumindo o compromisso de manter acesa a chama da busca constante do conhecimento científico e a responsabilidade de acolher e cuidar o ser humano.

Também foi ministrada uma palestra com Poliane Almeida, Psicóloga do Hospital Master Dei de Ouro Preto do Oeste, com o tema “Suicídio dos Profissionais da Enfermagem”, ela abordou o tema de uma maneira dinâmica, trazendo informações importantes sobre sinais apresentados pelos indivíduos que sofrem com a depressão, e os desdobramentos da doença.

“O Tema é muito sensível em nossa área, infelizmente, inclusive com vários casos recentes de colegas rondonienses. O perfil depressivo sempre apresenta sinais que nós, profissionais da saúde, temos que compreender esses sinais e agirmos para evitar casos terríveis como os que ocorreram nos últimos meses”, explicou a psicóloga convidada pela UNEOURO.

A coordenadora de Enfermagem da Faculdade UNEOURO, Flaviane Liberato, agradeceu a todos os alunos e professores envolvidos na organização da I Semana Acadêmica de Enfermagem da instituição. “Em nome da Direção Geral deixo aqui nossos cumprimentos aos alunos do curso Técnico em Enfermagem e aos acadêmicos do Bacharelado pela organização perfeita e engajamento total por parte de todos”, elogiou.

Liberato também estendeu seus cumprimentos à toda equipe de colaboradores envolvida. “Quero registrar nossa profunda gratidão aos coordenadores, professores e aos demais funcionários que trabalharam muito por este momento”, arrematou a Coordenadora de Enfermagem.

A CERIMÔNIA – O rito é inspirado na história da enfermeira britânica Florence Nightingale. Durante a Guerra da Crimeia (1853 – 1856), quando muitos soldados morriam por falta de higiene e cuidados básicos, Florence conseguiu reduzir expressivamente o índice de mortalidade entre eles. Todas as noites, ela percorria os leitos dos feridos com uma “lâmpada” para prestar os cuidados de enfermagem aos homens.